Blabos de Blebe

Catalyst com local::lib
Publicado em 01/01/2010

Catalyst com local::lib

INTRODUÇÃO

Uma das grandes forças do Perl é o incrível repositório CPAN. Nele encontramos uma grande quantidade de componentes para resolver os mais cabulosos problemas. Bastam alguns comandos simples para que os mais produtivos e eficazes frameworks estejam disponíveis.

Infelizmente, em ambientes onde não possuimos permissões de administrador, instalar um componente externo no sistema pode ser na melhor das hipóteses uma grande dor de cabeça.

Entretanto, quando falamos de Perl isso não é um problema, pois utilizando o módulo local::lib podemos instalar nossos componentes em um diretório arbitrário, como nosso diretório pessoal, por exemplo.

O principal requisito é ter disponível um compilador C e os pacotes de desenvolvimento da libc (quando aplicável), pois alguns módulos preciam compilar código escrito em C.

Neste texto mostraremos como configurar o Perl para instalar os módulos do cpan localmente via local::lib em uma máquina na qual não possuimos permissões administrativas. Em seguida abordaremos também a instalação do Catalyst, bem como alguns tópicos opcionais.

CPAN COM LOCAL::LIB

A configuração do módulo local::lib é extremamente simples e rápida. Vamos tomar como exemplo uma instalação "virgem" do Perl em uma máquina com Ubuntu.

O primeiro passo é configurar o aplicativo cpan, que já vem com a a instalação padrão do Perl, e o qual será usado para instalar todos os módulos a seguir.

Para isso, basta chamar um terminal e digitar o comando cpan. Ele vai mostrar uma pequena mensagem de apresentação e perguntar se você gostaria de deixá-lo configurar tudo automaticamente. Para a maioria dos casos a configuração automática é suficiente, no entanto vamos configurar algumas opções um pouco diferentes do default, então respondemos 'no'.

    Would you like me to configure as much as possible automatically? [yes] no

A primeira opção diferente da default que vamos alterar é a que define como o cpan vai persistir as variáveis configuradas em seu shell. Isso será necessário mais à frente. Normalmente quando configuramos uma variável do cpan no seu shell ele a mantém em memória e não grava em as alterações no disco. A principal razão disso é para evitar que você faça algo desastroso e isso seja salvo automaticamente. Como depois de ler este pequeno texto, você não fará mais essas besteiras, vamos modificar a opção de auto_commit para 'yes'.

    Normally CPAN.pm keeps config variables in memory and changes need to
    be saved in a separate 'o conf commit' command to make them permanent
    between sessions. If you set the 'auto_commit' option to true, changes
    to a config variable are always automatically committed to disk.

     
    Always commit changes to config variables to disk? [no] yes

A segunda é a que define a política de pré-requisitos. Ela define o que o cpan deve fazer ao se deparar com um módulo que possui uma dependência. O default é 'ask' (perguntar). Vamos modificar para 'follow' (seguir). Assim, quando o cpan encontrar um módulo que possui alguma dependência, ao invés de me perguntar o que fazer , ele vai tentar instalá-la automaticamente. Isso é extremamente útil durante instalações longas com uma árvore de dependências grande como a do Catalyst.

    
    Policy on building prerequisites (follow, ask or ignore)? [ask] follow

Na sequência vem a pergunta sobre a instalação de dependências de build dos módulos. As dependências de build são componentes que são necessários durante o processo de compilação/testes/instalação. Vamos alterar de 'ask/yes' para 'yes' de forma que as dependências de build também sejam instaladas. Assim se durante o build algum módulo precisar de outro que ainda não está instalado, este será automaticamente baixado e instalado para você. O default era perguntar e sugerir sim como resposta.

    
    Policy on installing 'build_requires' modules (yes, no, ask/yes,
    ask/no)? [ask/yes] yes

ATENCÃO: Um bug conhecido de alguns sistemas instaladores mais antigos faz com que estas escolhas nem sempre sejam obedecidas. Mais à frente quando falarmos da configuração de variáveis de ambiente para uso do módulo local::lib, vamos mostrar como suprimir este erro.

A seguir vem uma sequência de perguntas sobre ferramentas que o cpan normalmente usa. Note que o cpan automaticamente descobre o PATH das ferramentas instaladas mas permite que esse PATH seja alterado. Com isso, caso alguma das ferramentas não esteja disponível, é possível instalá-las em um diretório qualquer e apontar para elas.

    
    Where is your bzip2 program? [/bin/bzip2]

    
    Where is your gzip program? [/bin/gzip]
    ...

Várias opções depois, a próxima razoavelmente relevante para se modificar é o charset utilizado. Se o seu terminal suportar UTF-8, essa opção é preferível. Na maioria dos sistemas que usa o inglês como idioma padrão charset default é o ISO-8859-1. Respondendo 'yes' a essa pergunta, utilizaremos o padrão ISO-8859-1. Assim como todo o resto do universo que possui mais de 7 bits de alfabeto, vamos responder 'no' e utilizar UTF-8.

UTF-8 é o charset default dos últimos Ubuntus que instalei.

    The next option deals with the charset (aka character set) your
    terminal supports. In general, CPAN is English speaking territory, so
    the charset does not matter much but some CPAN have names that are
    outside the ASCII range. If your terminal supports UTF-8, you should
    say no to the next question. If it expects ISO-8859-1 (also known as
    LATIN1) then you should say yes. If it supports neither, your answer
    does not matter because you will not be able to read the names of some
    authors anyway. If you answer no, names will be output in UTF-8.

    
    Your terminal expects ISO-8859-1 (yes/no)? [yes] no

O cpan vai perguntar se ele pode se conectar à internet para baixar a lista de repositórios. Ele é bem educado quanto às coisas que ele precisa fazer, por isso estamos configurando opções que o deixem mais independente. Responda 'yes' e aguarde ele baixar a lista de servidores.

Depois de se comunicar com os servidores default, ele pergunta quais repositórios você quer configurar em três etapas. Primeiro pergunta o continente, depois o país e por último o próprio repositório. É possível escolher mais de uma opção simultaneamente. Eu escolhi para continentes América do Sul e América do Norte, para países Brasil, Chile e Estados Unidos e por último alguns repositórios em cada país. Fique à vontade para escolher quantos e quais quiser.

Pronto. Agora você está no lendário shell do cpan.

    cpan[1]>

O próximo passo é instalar e configurar o módulo local::lib. Para isso digite no shell do cpan o comando:

    cpan[1]> look local::lib

Isso vai fazer com o que o cpan baixe o módulo mas não instale-o automaticamente. Ao invés disso ele vai abrir um novo shell no diretório local onde ele desempacotou o módulo local::lib.

Neste shell, faça o bootstrap com os seguintes comandos:

    user@host:~/.cpan/build/local-lib-1.004003-UyX2wf$ perl Makefile.PL \
    --bootstrap && make test && make install

Por último mas não menos importante é preciso exportar algumas variáveis de ambiente. Para isso saia do shell atual (Ctrl+D), saia do shell do cpan (bye ou quit) e execute no bash o seguinte comando:

    echo 'eval $(perl -I$index.t/perl5/lib/perl5 -Mlocal::lib)' >> ~/.bashrc

Com isso configuramos algumas variáveis de ambiente necessárias para o bom funcionamento do cpan com o módulo local::lib, mas ainda não acabou. Lembra do bug que falamos anteriormente sobre perguntas durante a instalação? Ele pode ser contornado configurando-se a variável de ambiente PERL_MM_USE_DEFAULT, que pode ser facilmente resolvido com o comando abaixo:

    echo 'export PERL_MM_USE_DEFAULT=1' >> ~/.bashrc

Isso vai adicionar os comandos que exportam as variáveis de ambiente ao final do seu arquivo .bashrc, e então a cada login elas serão automaticamente exportadas.

Force a re-execução do seu bashrc ou faça logout e login novamente

    user@host:~$ . ~/.bashrc

IMPORTANTE: Certifique-se que as variáveis de ambiente foram configuradas ou coisas estranhas podem acontecer. Entenda por "coisas estranhas" qualquer coisa diferente do funcionamento correto, e algumas podem ser realmente muito bizarras.

    user@host:~$ env | grep perl
    PERL5LIB=/index.t/catalyst/perl5/lib/perl5:/index.t/catalyst/perl5/lib/perl5...
    MODULEBUILDRC=/index.t/catalyst/perl5/.modulebuildrc
    PATH=/index.t/catalyst/perl5/bin:/usr/local/bin:/usr/bin:/bin:/usr/games
    PERL_MM_USE_DEFAULT=1
    PERL_MM_OPT=INSTALL_BASE=/index.t/catalyst/perl5
    user@host:~$

Caso você obtenha uma saída semelhante à mostrada acima significa que aparentemente está tudo ok. Caso contrário tente reiniciar o processo do começo. Para isso basta remover os diretórios .cpan e perl5 que foram criados durante o processo, comentar as últimas linhas do ~/.bashrc que foram adicionadas durante o tutorial e recomeçar.

Caso você ainda tenha problemas, pode ser que exista alguma anomalia mais grave com a distribuição Perl em seu sistema. Neste caso entre em contato com o admistrador ou com o monge mais próximo!

Agora, antes de começar a instalar módulos, é uma boa atualizar o próprio módulo CPAN.pm. Atente para as maiúsculas e minúsculas.

    user@host:~$ cpan CPAN
    ...
    Installing /index.t/catalyst/perl5/bin/cpan
    Writing /index.t/catalyst/perl5/lib/perl5/i486-linux-gnu-thread-multi/auto...
    Appending installation info to /index.t/catalyst/perl5/lib/perl5/i486-linux...
      ANDK/CPAN-1.9402.tar.gz
      /usr/bin/make install  -- OK
    Warning (usually harmless): 'YAML' not installed, will not store persist...
    user@host:~$

Depois da instalação da nova versão do CPAN.pm, note que ele está avisando que o módulo YAML não está instalado. Para deixar tudo redondinho vamos intalá-lo também.

    user@host:~$ cpan YAML
    ...
    Writing /index.t/catalyst/perl5/lib/perl5/i486-linux-gnu-thread-multi/auto/Y...
    Appending installation info to /index.t/catalyst/perl5/lib/perl5/i486-linux...
      INGY/YAML-0.68.tar.gz
      /usr/bin/make install  -- OK
    CPAN: YAML loaded ok (v0.68)
    Going to read 1 yaml file from /index.t/catalyst/.cpan/build/
    DONE
    Restored the state of none (in 0.0265 secs)
    user@host:~$

Agora sim. Vamos dar uma conferida onde foi parar o módulo YAML recém instalado:

    user@host:~$ ls ~/perl5/lib/perl5
    CPAN  CPAN.pm  i486-linux-gnu-thread-multi  local  Test  YAML  YAML.pm
    user@host:~$

Ele foi instalado dentro de uma árvore de diretórios criada no index.t do usuário corrente, conforme planejávamos e tudo isso sem pedir a senha de root uma única vez.

MINICPAN (OPCIONAL)

Já vimos como instalar módulos do cpan localmente sem necessitar de privilégios administrativos. Entretanto, a dependência de uma conexão com a internet para a instalação de novos módulos, é por vezes um empecilho para a utilização desta poderosa ferramenta. Como em Perl sempre há mais de uma forma de se fazer, neste texto também mostraremos como criar um mini-mirror do cpan que possa ser utilizado em ambientes onde uma conexão com a internet nem sempre é possível.

Depois de configurar o aplicativo cpan para instalar módulos localmente com a local::lib, o primeiro passo para configurar o mirror é instalar e configurar o módulo CPAN::Mini e seus aplicativos.

Existem várias formas de se configurar o minicpan. A que eu mais uso é a que é feita através de um arquivo de configuração chamado .minicpanrc que deve ser criado no diretório index.t do usuário corrente. Ele possui somente duas linhas conforme abaixo:

    local: ~/minicpan
    remote: http://www.cpan.org

A primeira linha indica em qual diretório ficarão os arquivos do mirror, enquanto que a segunda indica de onde as informações sobre os pacotes serão baixadas.

Feito isso, podemos instalar o módulo CPAN::Mini com o comando:

    user@host:~$ cpan CPAN::Mini

Depois de instalar o módulo, executamos o comando minicpan que vai sincronizar o repositório local (diretório ~/minicpan, atualmente vazio) com o repositório indicado no 'remote' do .minicpanrc na internet. Esta parte pode demorar entre alguns minutos e várias horas, dependendo da velocidade do seu link, pois ele vai baixar cerca de 1.2 GB de arquivos.

    user@host:~$ minicpan
    authors/01mailrc.txt.gz ... updated
    modules/02packages.details.txt.gz ... updated
    modules/03modlist.data.gz ... updated
    authors/id/A/AA/AAYARS/Devel-Ladybug-0.406.tar.gz ... updated
    authors/id/A/AA/AAYARS/CHECKSUMS ... updated
    ...

A última etapa é configurar o aplicativo cpan para utilizar o nosso mirror local como primeira opção de download. Isso é feito através do próprio prompt do cpan:

    cpan> o conf urllist unshift file:///index.t/blabos/minicpan

Onde /index.t/blabos é o diretório index.t do usuário, no meu caso, blabos; e minicpan é o diretório que configuramos na opção 'local' do .minicpanrc.

Lembra-se da primeira opção configurada no cpan? Ela serve exatamente para que a configuração feita acima seja automaticamente persistida nos arquivo de configuração do cpan.

Com esses passos simples, conseguimos construir um mini-mirror do cpan para ser utilizado em ambientes com pouco ou nenhum acesso à internet. Adicionalmente, para replicar o mirror em outras máquinas, basta copiar o diretório minicpan e adicioná-lo como opção de download para o comando cpan (última etapa descrita anteriormente).

INSTALANDO O CATALYST

Antes de instalar o Catalyst, certifique-se que você possui pelo menos a versão 5.8.1 do Perl instalada:

    user@host:$ perl --version

    This is perl, v5.10.0 built for i486-linux-gnu-thread-multi

    Copyright 1987-2007, Larry Wall

    Perl may be copied only under the terms of either the Artistic License or the
    GNU General Public License, which may be found in the Perl 5 source kit.

    Complete documentation for Perl, including FAQ lists, should be found on
    this system using "man perl" or "perldoc perl".  If you have access to the
    Internet, point your browser at http://www.perl.org/, the Perl index.t Page.

    user@host:$

O Catalyst é um framework MVC bastante sofisticado e usa o que há de mais moderno em Perl. Ele depende de vários outros componentes que fazem dele uma das mais completas ferramentas de desenvolvimento de aplicações. Portanto não se assute com a quantidade de módulos que será instalada junto com ele, nem tão pouco com a quantidade de opcionais disponíveis.

A instalação do Catalyst é bastante flexível e customizável, você instala o Runtime que é a plataforma base e a combina com vários outros módulos da forma que fizer mais sentido para a sua aplicação.

Dentre as várias opções possíveis, podemos destacar dois sabores mais comuns o 'Devel' e o 'Deploy'. A diferença básica entre os dois é que na instalação 'Devel' são instaladas algumas ferramentas de desenvolvimento enquanto na 'Deploy' hum... não!

Primeiramente mostraremos como realizar uma instalação 'Devel' e depois falaremos sober a instalação 'Deploy'.

Instalação 'Devel'

A instalação 'Devel' é a mais simples de todas e é feita com o comando:

    user@host:$~ cpan Catalyst::Devel
    ...
    Writing /index.t/blabos/perl5/lib/perl5/i486-linux-gnu-thread-multi/auto
    /Catalyst/Devel/.packlist
    Appending installation info to /index.t/blabos/perl5/lib/perl5
    /i486-linux-gnu-thread-multi/perllocal.pod
     FLORA/Catalyst-Devel-1.26.tar.gz
     /usr/bin/make install  -- OK
    user@host:~$

Atente para os caracteres maiúsculos e minúsculos. Feito isso, vá tomar um bom café, porque dependendo da sua conexão, a instalação vai demorar alguns minutos; normalmente vários, nos quais serão instalados quase 20 MB de módulos (18.9 para ser mas preciso). Sorte sua se já instalou e configurou o minicpan.

A partir desse ponto é possível criar uma aplicação Catalyst mínima com o comando:

    user@host:~$ catalyst.pl MyApp

E executá-la com os comandos:

    user@host:~$ cd MyApp
    user@host:~/MyApp$ ./script/myapp_server.pl

Com isso temos instalado o ambiente de desenvolvimento mínimo, ou seja, Runtime e algumas ferramentas de desenvolvimento. Como o Catalyst não faz muitas suposições sobre que tipo de aplicação você irá fazer, módulos de acesso a banco de dados ou templates não são automaticamente instalados. A instalação desses módulos será abordada nas próximas seções.

Instalação 'Deploy'

A instalação 'Deploy' é utilizada quando queremos implantar uma aplicação pronta numa determinada máquina, mas não queremos instalar todos os pacotes de desenvolvimento. Ela é um pouco mais sensível que a 'Devel', pois depende da sua aplicação.

Podemos dividi-la em duas etapas: instalação do Runtime e instalação da aplicação em si.

Para instalar o Runtime do catalyst, basta executar o comando:

    user@host:$~ cpan Catalyst::Runtime
    ...
    Writing /index.t/blabos/perl5/lib/perl5/i486-linux-gnu-thread-multi/auto
    /Catalyst/Runtime/.packlist
    Appending installation info to /index.t/blabos/perl5/lib/perl5
    /i486-linux-gnu-thread-multi/perllocal.pod
     FLORA/Catalyst-Runtime-5.80020.tar.gz
     /usr/bin/make install  -- OK
    user@host:~$

Isso instala o Runtime do Catalyst, mas não as dependências da sua aplicação. Para finalizar você vai querer instalar a sua aplicação e dependências, as quais você acrescentou no arquivo Makefile.PL durante o desenvolvimento. Esta etapa da instalação é feita com os comandos:

    user@host:$~ perl Makefile.PL && make test && make install

A aplicação e suas dependências serão instaladas junto com os outros módulos no mesmo diretório que foi configurado com local::lib, /index.t/blabos/perl5 no meu caso.

Desta forma, para replicar a instalação da aplicação em máquinas que compartilhem a mesma arquitetura, basta copiar o diretório perl5, criado pelo local:lib e configurar as variáveis de ambiente adequadamente.

MÓDULOS ADICIONAIS (OPCIONAL)

Uma das grandes vantagens do Catalyst é ser um framework bastante customizável, bastando juntar o conjunto certo do módulos para que ele torne simples o desenvolvimento de vários tipos de aplicações diferentes.

Abaixo segue uma lista do módulos mais comuns que podem ou não ser interessantes para o seu caso. Não vamos abordar em detalhes nenhum deles porque isso foge ao escopo deste texto.

Acesso a Banco de Dados

O Perl possui algumas das ferramentas mais completas, eficientes e flexíveis quando se trata de acesso a banco de dados e o Catalyst aproveita todas elas. Dentre as várias existentes, podemos citar sem nenhuma exaustão:

KiokuDB

O KiokuDB é um frontend para persistência de dados baseado no Moose. Maiores detalhes podem ser encontrados no site do projeto em http://www.iinteractive.com/kiokudb. Ele pode ser instalado diretamente via cpan com o comando:

    user@host:$~ cpan KiokuDB

Já a integração com o Catalyst é feita através da instalação do módulo Catalyst::Model::KiokuDB:

    user@host:$~ cpan Catalyst::Model::KiokuDB

DBIx::Class

O DBIx::Class, também conhecido como DBIC, é de longe o ORM mais utilizado no mundo Perl, tanto por aplicações Catalyst quanto aplicações de propósito mais geral. Provavelmente você não vai querer viver sem ele. Maiores detalhes e documentação extensa podem ser encontradas no cpan http://search.cpan.org/search?q=dbix::class. A instalação pode ser feita através do comando:

    user@host:~$ cpan DBIx::Class

Aproveite para instalar também os módulos que integram o DBIC ao Catalyst:

    user@host:~$ cpan Catalyst::Model::DBIC::Schema \
    Catalyst::Helper::Model::DBIC::Schema

Notas sobre DBD::pg, DBD::mysql e outros

Os módulos DBD::pg e DBD::mysql são os drivers de acesso ao Postgres e ao MySQL, respectivamente. A instalação de ambos requer componentes de desenvovimento específicos de cada SGBD.

O DBD::pg precisa do aplicativo pg_config instalado. Ele normalmente é distribuído junto com os arquivos de desenvolvimento da libpq (no ubuntu, está no pacote libpq-dev).

Analogamente, o DBD::mysql requer o aplicativo mysql_config que normalmente é distribuído junto com os arquivos de desenvolvimento da libmysqlclient (no ubuntu, está no pacote libmysqlclient-dev).

Atente para esses detalhes quando for utilizar outros bancos de dados. Muito provavelmente será necessário ter instalado um compilador e bibliotecas de desenvolvimento, conforme foi citado no início deste texto.

Criação de Templates

Um dos mais legais sistemas de templates que podem ser usados juntamente com o Catalyst é o Template-Toolkit. Para instalá-lo, se ele ainda não estiver presente, basta executar os comandos abaixo:

    user@host:~$ cpan Template Catalyst::Helper::View::TT

Podemos citar ainda o HTML::Mason, HTML::Template, entre outros.

Gerenciamento de Sessões

Nada de ficar queimando seus cookies! O Catalyst cuida do gerenciamento de sessões pra você.

Catalyst::Plugin::Session

Catalyst::Plugin::Session::Store::FastMmap - Armazena dados de sessão usando FastMmap.

Catalyst::Plugin::Session::Store::File - Armazena dados de sessão usando arquivos.

Catalyst::Plugin::Session::Store::DBIC - Armazena dados de sessão usando banco de dados.

Catalyst::Plugin::Session::State::Cookie - Usa cookies para manter o estado da sessão.

Autenticação e autorização

Precisando autenticar usuários? Não tema. Com o Catalyst e seus plugins não há problema!

Catalyst::Plugin::Authentication - Autenticação.

Catalyst::Plugin::Authorization::Roles - Autorização baseada em regras (ou grupos).

Catalyst::Plugin::Authorization::ACL - Autorização baseada em ACLs.

Diversos

Catalyst::Plugin::StackTrace - Mostra a stack trace em uma tela de debug. Muito útil para depuração.

Catalyst::Plugin::ConfigLoader - Suporte a vários formatos de arquivo de configuração.

Catalyst::Plugin::unicode - Suporte transparente a unicode (UTF8).

Catalyst::Plugin::Static::Simple - Para servir páginas estáticas de forma simples.

Catalyst::Helper::Model::Email ou Catalyst::View::Email::Template para envio de email.

ARMADILHAS COMUNS

Fiz tudo certo mas "dá" permissão negada ao tentar instalar um módulo

Você acha que fez tudo que tinha que fazer e na hora H o módulo não instala, e agora?

Um dos erros mais comuns pode ser mostrado abaixo. Algumas linhas do log de instalação foram omitidas para poupar espaço. Não se assuste, elas estão lá para te ajudar.

Foi tentada a instalação do módulo String::Trigram. Note o final do log de instalação.

    user@host:~$ cpan String::Trigram
    CPAN: Storable loaded ok (v2.18)
    Going to read /index.t/blabos/.cpan/Metadata
    ...
    ...
    warp ................................. ok 20
      TAREKA/String-Trigram-0.11.tar.gz
      /usr/bin/make test -- OK
    Warning (usually harmless): 'YAML' not installed, will not store \
    persistent state
    Running make install
    Prepending /index.t/blabos/.cpan/build/String-Trigram-0.11-bb6nDO/blib/arch \
    /index.t/blabos/.cpan/build/String-Trigram-0.11-bb6nDO/blib/lib to PERL5LIB \
    for 'install'
    Files found in blib/arch: installing files in blib/lib into architecture \
    dependent library tree
    !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
    ERROR: Can't create '/usr/local/lib/perl/5.10.0/String'
    mkdir /usr/local/lib/perl: Permission denied at /usr/share/perl/5.10/ExtUt
    ils/Install.pm line 479

    !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
     at -e line 1
    make: ** [pure_site_install] Erro 13
      TAREKA/String-Trigram-0.11.tar.gz
      /usr/bin/make install  -- NOT OK
    Warning (usually harmless): 'YAML' not installed, will not store persisten
    t state
    user@host:~$

Há um warning avisando que o módulo YAML não está instalado. Mas como se acabamos de instalá-lo mais acima?

Mais abaixo vem um erro escabroso dizendo que não foi possível criar o diretório de instalação do módulo dentro do diretório /usr/local/lib/perl/5.10.0. Este é o diretório padrão de instalação de módulos Perl quando *NÃO* configuramos o cpan para usar local::lib.

Atente para o detalhe:

    user@host:~$ env | grep PERL
    user@host:~$

Esse erro normalmente ocorre quando as variáveis de ambiente *NÃO* estão corretamente configradas. Revise a parte de variáveis de ambiente, dê uma conferida o arquiv ~/.bashrc e lembre-se sempre de fazer logoff do terminal corrente e abrir um novo terminal quando configurar as variáveis de ambiente.

O cpan ficou maluco, responde as perguntas sozinho e não me deixa configurá-lo

Isso normalmente acontece quando algo deu errado e estamos tentando uma segunda instalação da local::lib. Já limpamos os diretórios .cpan e perl5, mas esquecemos de limpar as variáveis de ambiente.

Neste caso a variável PERL_MM_USE_DEFAULT está pedindo para o cpan se comportar exatamente conforme mandamos, assumindo os valores default para cada pergunta.

Confira essa pegadinha com:

    user@host:~$ env | grep PERL_MM_USE_DEFAULT
    PERL_MM_USE_DEFAULT=1
    user@host:~$

Resolver este macabro problema é simples. Basta editar o seu arquivo ~/.bashrc e comentar as duas últimas linhas que foram adicionadas durante o tutorial:

    # eval $(perl -I$index.t/perl5/lib/perl5 -Mlocal::lib)
    # PERL_MM_USE_DEFAULT=1

Agora prossiga com a configuração e lembre-se de descomentar essas linhas quando terminar, ou você vai acaber caindo na armadilha anterior.

REFERÊNCIAS

AUTHOR

Blabos de Blebe , <blabos at cpan.org> trabalha na Ética Tecnologia e Desenvolvimento (http://etica.net), vai pra casa mais cedo todos os dias, desde que adotou Perl.

AGRADECIMENTOS

Este texto é resultado de pesquisas e principalmente, longas conversas com o Eden http://search.cpan.org/~edenc ao longo do último ano. Deixo aqui meu muito obrigado por sua loooonga paciência.

blog comments powered by Disqus